• Audiência Pública
  • Premiação Jovem Autor
  • Sessão Especial 9/dezembro
  • Sessão Especial 8/dezembro
  • Natal de Luz
Imprimir
PDF

Vereadores defendem centro de acolhimento para imigrantes em Joinville

Publicado em Notícias - Comissões

Comissões de Cidadania e de Educação

Reunidas de forma conjunta, as comissões de Cidadania e de Educação receberam convidados de secretarias municipais e de uma associação de imigrantes em busca de avanços nas políticas para imigrantes em Joinville. Entre os avanços do encontro, realizado nesta terça-feira (03), os vereadores decidiram encaminhar uma moção para que a Prefeitura de Joinville providencie uma casa de acolhimento para imigrantes. Outra moção pedirá ao governo estadual a contratação de profissional para auxiliar o atendimento de gestantes na Maternidade Darcy Vargas.

A proponente da discussão, Ana Lucia Martins (PT), argumentou que nos últimos anos foram realizadas três audiências públicas sem avanços sobre a questão dos imigrantes. Sobre o centro de acolhimento, Ana Lucia pediu união de forças para que Joinville possa ter um centro de referência.

A importância do centro de acolhimento também foi defendida pelo representante da Associação de Imigrantes Haitianos de Joinville (AIHJ), Whistler Ermonfils, e pelos presidentes das comissões envolvidas. Para, Brandel Junior (Podemos), de Educação, o centro deveria ser instalado na área central da cidade e funcionar em uma parceria entre a Prefeitura de Joinville e representantes das associações de imigrantes. Pastor Ascendino Batista (PSD), de Cidadania, propôs as moções para apelar aos governos municipal e estadual por ações em prol dos imigrantes.

Whistler Ermonfils, que vive no Brasil há nove anos, externou o desejo de seguir estudando para se qualificar e relatou a dificuldade econômica dos imigrantes. “Eu queria viver nessa cidade com tranquilidade, não só trabalhar para sobreviver”, refletiu Whistler após relatar o cenário de imigrantes que gastam mais da metade dos salários somente com aluguel em Joinville.

O desejo de Whistler de continuar estudando na busca de um futuro melhor para si e para os filhos foi elogiado por Pastor Ascendino Batista e por Neto Petters (Novo).

Questionado por Neto sobre a qualidade dos atendimentos dos serviços de saúde no município, Whistler afirmou que o atendimento para o imigrante é o mesmo dado para outras pessoas. Entretanto, ele relatou o caso de uma imigrante gestante que teria perdido o bebê por dificuldade no entendimento das orientações de um médico da Maternidade Darcy Vargas.

O relato motivou os vereadores a decidir pelo encaminhamento de outra moção, desta vez para o governo estadual, responsável pela maternidade. O documento, que deverá ser assinado pelos membros das duas comissões, pedirá a contratação de profissionais para auxiliar mulheres imigrantes nos atendimentos.

Comunicação

Representantes das secretarias de Assistência Social, Educação e Saúde concordaram que a comunicação é o maior problema enfrentado na relação com os imigrantes. A informação foi confirmada também por um levantamento de dificuldades realizado pela Secretaria de Saúde.

Uma evidência do problema são ações do poder público na tradução de materiais para a língua crioula, um dos idiomas oficiais do Haiti. Conforme o representante da Saúde, Andrei Kolacek, uma cartilha da saúde da mulher foi traduzida para o idioma para facilitar o acesso de haitianas. A coordenadora de políticas para mulheres e direitos humanos Deise Gomes também destacou que, em 2020, a Secretaria de Assistência Social traduziu para o crioulo um material sobre os serviços ofertados pela pasta.

Na área de educação, o gerente Cleberson de Lima Mendes destacou as políticas inclusivas que foram implementadas em Joinville, como uma proposta de ensino da língua portuguesa para crianças e adolescentes estrangeiras. De acordo com Cleberson, Joinville tem 191 alunos de origem haitiana matriculados no ensino fundamental e 161 alunos de origem venezuelana na rede municipal.

Conforme dados da Polícia Federal apresentados por Deise Gomes, Joinville possui uma população de 4.550 imigrantes, a maioria haitianos e venezuelanos. Com esse número, Joinville é o segundo município de Santa Catarina com mais imigrantes, atrás apenas de Florianópolis.


Texto
Jeferson Luis dos Santos
Foto
Mauro Artur Schlieck
Edição
Felipe Faria

Notícias Relacionadas


Se você quer fazer uma correção, sugestão ou crítica, envie um e-mail para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br